Assédio moral e preconceito contra as mulheres


- "Você é louco de dar um cargo de gestão pra essa menina! Olha o jeito dela, essa voz mansa não passa nenhuma credibilidade..."

Por incrível que pareça, não estamos falando de uma observação machista ocorrida nos anos 60... trata-se, ainda e vergonhosamente, de uma realidade atual para muitas mulheres.

Muito se fala em direitos iguais.

Direito dos gays.

Direito dos negros.

Direito da criança.

E as pessoas simplesmente pararam de dar importância ao direito de igualdade das mulheres!

Pouco se fala nisso, nos dias de hoje... porque existe uma idéia (já bem enraizada) de que isso acabou no Brasil e no mundo.
Tantas mulheres executivas, engenheiras, taxistas... cargos antes ocupados predominantemente por homens. Então, podemos concluir que o preconceito contra as mulheres acabou, não é?

Engana-se quem pensa que sim.

O preconceito existe, é atual e incomoda muitas mulheres.

Alguns homens ainda não toleram mulheres em cargos de poder, de comando, de gestão.
Para eles, as mulheres são seres que nasceram única e exclusivamente para o casamento, para o lar, para gerar filhos.

Em muitos destes casos, os homens não guardam suas opiniões preconceituosas para si mesmos. Eles humilham, maltratam, praticam assédio moral sem o menor pudor. E pior: diante de outros colegas, pois não tem medo de serem punidos. Não dão a mínima por alguém testemunhar uma palavra de baixo calão, ou uma expressão agressiva. Sabem que a impunidade prevalece na maioria dos casos.

- "Este projeto não funciona porque a gerentinha mulher não dá conta!"
- "A taxista errou o caminho porque lugar de mulher é pilotando o fogão!"
- "Vai dar ordens ao seu marido!"
- "Na TPM essa mulher funciona pior ainda!"

As expressões de intolerância contra as mulheres no dia a dia poderiam ser infinitamente listadas aqui, mas não precisamos ir muito longe para presenciar.
Sempre temos alguma amiga, parente ou colega que passa por isso, dia após dia, mas precisam do emprego e acabam tolerando a humilhação.

Abaixo, algumas consequências da agressão:

- Dificuldades emocionais: irritação constante, falta de confiança em si, cansaço exagerado, diminuição da capacidade para enfrentar o estresse. Pensamentos repetitivos.

- Alterações do sono: dificuldades para dormir, pesadelos, interrupções freqüentes do sono, insônia.

- Alteração da capacidade de concentrar-se e memorizar (amnésia psicógena, diminuição da capacidade de recordar os acontecimentos).

- Anulação dos pensamentos ou sentimentos que relembrem a tortura psicológica,
como forma de se proteger e resistir.

- Anulação de atividades ou situações que possam recordar a tortura psicológica.

- Diminuição da capacidade de fazer novas amizades. Morte social: redução
do afeto, sentimento de isolamento ou indiferença com respeito ao sofrimento alheio.

- Tristeza profunda.

- Interesse claramente diminuído em manter atividades consideradas importantes
anteriormente.

- Sensação negativa do futuro. Vivência depressiva.

- Mudança de personalidade. Passa a praticar a violência moral.

- Sentimento de culpa. Pensamentos suicidas. Tentativas de suicídio.

- Aumento de peso ou emagrecimento exagerado. Distúrbios digestivos. Hipertensão arterial. Tremores. Palpitações.

- Aumento de consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas.
Diminuição de libido.

- Agravamento de doenças pré-existentes. Dores de cabeça.

- Estresse. Em 47% dos casos associado à tortura psicológica.


A mulher que vivencia uma situação deste nível, não enfrenta somente o assédio moral do agressor: enfrenta também a sensação constante de humilhação e impotência. E pior: todo este terror diário conciliando com suas atividades normalmente, pois seus compromissos não podem esperar.

Até quando o PRECONCEITO ainda será pauta?

2 comentários:

Anônimo disse...

Seu post descreveu a sensação que ando tendo... e o pior que essa sensação começa dentro de casa até seu auge máximo do lado de fora dela!

Mulheres, vamos mudar esse triste quadro e ensinar nossos filhos a verdadeira importância de uma mulher!!!! vamos começar em casa e depois levamos pra rua e cabeça erguida e enfrentemos esses cretinos de frente, que tal fazer muai-tai e dar muitos chutes!!!!.Brincadeira a parte muitas mulheres sofrem muito com isso.